quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Balanço da XVI Conferência de Filosofia da ESMTG

António-Pedro de Vasconcelos

A XVI Conferência de Filosofia da ESMTG foi um sucesso. A sala esteve praticamente cheia, sendo o auditório constituído maioritariamente por professores, muitos deles professores de Filosofia de outras escolas do Algarve.
Os alunos também marcaram presença em bom número, sendo de destacar que não é permitida a ida de turmas inteiras, mas apenas daqueles que manifestam uma genuína vontade em participar, mesmo sabendo de antemão que as eventuais faltas a aulas não lhes serão justificadas. Pretende-se com este critério garantir que todos os alunos presentes estão realmente interessados na conferência, o que ajuda a explicar o seu excelente comportamento, facto que tem sido, aliás, reiteradamente elogiado pelos conferencistas ao longo dos anos.
Na avaliação do evento, realizada sob rigoroso anonimato pelo público, o conteúdo, o interesse e a organização da conferência foram globalmente avaliados com 4,8 em 5.
Depois de receber as boas vindas pelo director Telmo Soares e da sua breve apresentação pelo assessor de grupo Luís Gonçalves, António-Pedro de Vasconcelos brindou-nos com uma comunicação vívida e muito interessante, relacionando os temas de modo por vezes surpreendente, com recurso a inúmeros exemplos e abordagens transversais e multidisciplinares, sem nunca abdicar da clareza da exposição das ideias nem abrandar o ritmo a que estas eram apresentadas.
Assim, foi particularmente rica para os professores e, principalmente, para os alunos, a interligação permanente entre o enquadramento histórico, as diferentes formas de arte (cinema, literatura, música, escultura, arquitectura, pintura…) e as implicações sociais e políticas da arte e, particularmente, do cinema. No final, todos ficaram a conhecer melhor as teses de Aristóteles sobre a ficção e o modo como elas se materializam ao longo da história da cultura, na literatura, na arte e, em particular, no cinema de John Ford.
Depois da comunicação, uma rica e diversificada palete de histórias contadas com mestria e entusiamo por este excelente “contador de histórias”, aconteceu o habitual debate e, no final, o realizador autografou os exemplares do seu livro que lhe serviu de base, intitulado O Futuro da Ficção.
O grupo de Filosofia da ESMTG quer tornar público o seu agradecimento ao patrocinador da conferência, o Pestana Alvor Praia Hotel, e também ao jornal Sul Informação, que contribui ano após ano para uma mais eficaz divulgação das atividades do grupo, como se pode constatar aqui.


A passadeira vermelha...
Luís Gonçalves apresenta o conferencista
Panorâmica do respeitável público
O cineasta autografa o seu livro

Para ao ano teremos a décima sétima.


Apoios:



sábado, 15 de março de 2014

XV Conferência de Filosofia da Teixeira Gomes: uma exposição que deu muito que falar


No âmbito da XV Conferência de Filosofia da Teixeira Gomes, o 10.º M pegou em papel e lápis e foi por aí perguntar a diversas pessoas (alunos, professores, pais) o que entendiam por felicidade. Estas opiniões, completadas com as dos alunos e alunas da própria turma, foram reunidas numa exposição subordinada ao título Ser feliz é...

Esta iniciativa permitiu confrontar a espontaneidade dos jovens com a maturidade das teses filosóficas clássicas sobre a felicidade, de que nos falou com mestria e clareza António Pedro Mesquita, especialista de Filosofia Antiga da Universidade de Lisboa, na conferência de filosofia deste ano.

Curiosamente, António Pedro Mesquita escolheu algumas das frases expostas para a elas se referir durante a conferência, em virtude das semelhanças com as teses por si analisadas sobre a felicidade.

As frases escolhidas foram estas. Descubra as semelhanças com o que foi defendido por Aristóteles, estoicos, epicuristas…

Para mim felicidade é quando o que eu penso, o que eu digo e o que eu faço estão em harmonia.
Maria António Louseiro

O bem estar físico e mental.
Maria Inês 

Felicidade é ausência de dor.
Carlos Correia

A felicidade para mim é ter dinheiro, amigos, família e saúde.
Maria Oliveira

A felicidade para mim é ter o que quero, como quero e quando quero.
Miguel Guerreiro

Para mim a felicidade é bem estar.
João Cabrita  

A felicidade é conseguir entender as infelicidades e poder viver com elas.
Jaime Pires

A felicidade é estar na boa.
João Santos

A felicidade é correr tudo bem.
Anónimo

Para mim a felicidade é simplesmente a beleza da simplicidade. É a paz interior que encontramos quando os nossos sentimentos se tornam claros. É apenas quando tudo se torna simples e puro. E quão bonita é a felicidade... Pena é que as pessoas não consigam ver essa realidade. Que pena que com o passar dos anos essa realidade venha a ser esquecida algures no meio do livro que é a nossa vida.
Mariana Simão

Pode encontrar mais informação sobre a conferência aqui.

Para o ano há mais :)

quinta-feira, 6 de março de 2014

XV Conferência de Filosofia da Teixeira Gomes: doutrinas da felicidade na Antiguidade Clássica, por António Pedro Mesquita.


Cartaz: Antónia Rocha, professora de Filosofia


Amanhã, dia 7 de Março, realiza-se a XV Conferência de Filosofia da Teixeira Gomes. Trata-se de um verdadeiro regresso às origens, ou seja, à Antiguidade Clássica. E logo com um tema eterno como a Filosofia: o que fazer para sermos felizes?

Terão ainda os filósofos clássicos algo a ensinar-nos? Manter-se-ão atuais as doutrinas clássicas sobre a felicidade?

Estas e outras questões serão apresentadas e discutidas por António Pedro Mesquita, professor da Universidade de Lisboa, um especialista em Filosofia Antiga com vasta obra publicada nesta área.

A conferência terá lugar no auditório da ESMTG, pelas 10:30 h, e tem o patrocínio do Hotel Pestana Alvor Praia.

A entrada é livre.


sábado, 4 de janeiro de 2014

Informação sobre o Exame Final Nacional de Filosofia (2014)


No passado dia 19 de dezembro foi tornada pública a informação oficial do IAVE sobre o exame de Filosofia. Este documento é fundamental para preparar o exame porque dá ao aluno uma ideia muito precisa dos conteúdos, do tipo de perguntas, das cotações e da estrutura do exame. Estas informações são este ano ainda mais importantes uma vez que não haverá teste intermédio de Filosofia. 
A informação sobre o exame pode ser consultada aqui

Este ano, o exame de Filosofia, que tem o código 714, terá lugar nestas datas:
  • 1ª fase: 17 de junho, 9:30 h
  • 2ª fase: 17 de julho, 9:30 h

Voltaremos a este assunto brevemente.

quinta-feira, 2 de janeiro de 2014

Oxford e Colin McGinn, por Ana Bernardes.


Oxford e Colin McGinn

por 

Ana Bernardes

Oxford fica a menos de uma hora de comboio de Londres (97km) e é fácil ir a pé da estação ao centro da cidade onde se encontram os seus seculares colégios universitários. A cidade pode parecer pequena a quem chega pela primeira vez, e se for em agosto, muito tranquila, por comparação com a agitação londrina. Um sol sempre ténue aclara o cinzento das fachadas de pedra e o verde dos amplos espaços relvados, as ruas estreitas com pouco trânsito, cheias de pequenas livrarias, lojas de porcelanas e salões de chá, dão-lhe um encanto muito acolhedor.
Mas toda a atmosfera é marcada pela imponência da sua universidade, na qual se formaram ou ensinaram, desde o século XIII, alguns dos melhores pensadores da cultura ocidental, muitos deles, filósofos.
No final desse século, Paris e Oxford eram como que dois campus de uma mesma universidade, a recuperação da obra de Aristóteles, que tanto enriqueceu e inquietou o pensamento dos mestres da filosofia latina, fez florescer a lógica formal e a metafísica. Por volta de 1320, Oxford estabeleceu-se como um centro independente usurpando a Paris a hegemonia da escolástica europeia. Grande parte do trabalho filosófico consistia no ensino da lógica e na problematização de questões metafísicas.
Séculos depois, no período pós guerra, Oxford terá sido ainda o centro mundial da filosofia. E foi esta cidade que atraiu Colin McGinn, um dos mais importantes filósofos da atualidade, quando, em 1972, após a sua licenciatura com nota máxima em Psicologia, começou a sentir o apelo irresistível da Filosofia. Oxford seria na época, tinha ouvido dizer, o melhor sítio de Inglaterra para se estudar Filosofia.
Na sua obra Como Se Faz Um Filósofo, McGinn descreve, numa narrativa autobiográfica cativante, o intenso percurso de treino filosófico pelo qual passou até ser admitido no curso de pós graduação para os licenciados mais distintos na área e a honrosa conquista do prestigiante Prémio John Locke, que lhe permitiu passar a ser um profissional da filosofia, como tanto desejava. Pelas memórias do então jovem aluno e depois professor, fascinado por Oxford aos vinte e três anos, entramos no ambiente dessa época mais recente: nos colégios antigos, com os seus jardins tratados e as suas torres, um corpo docente dinâmico de setenta catedráticos de Filosofia, uma lista de centenas de aulas à escolha, conferências com oradores como Saúl Kripke e Donald Davidson, competições intelectuais sobre lógica e linguagem desde a hora do chá até ao dia seguinte, num dia as aulas do professor Gareth Evans em calças de bombazine e botas rústicas, no outro um grupo de jovens e velhos esgrimas da filosofia vestidos a rigor com os seus subfuscus, (laço e camisa branca, fato negro e chapéu) a caminho dos exames mais conceituados.
Nos dois anos que Mc Ginn viveu em Oxford a Filosofia transformou-se para ele em lógica e linguagem, as primeiras aulas expositivas que deu foram sobre o tópico da verdade. Qual o significado da palavra “verdade”? O que faz uma frase ou crença ser verdadeira? Estudava com entusiasmo as teorias davidsonianas, e os problemas que elas enfrentavam, fascinado por esse modo técnico de fazer Filosofia, acreditando resolver a obscura questão «o que é o significado?» e transformar a filosofia em ciência, promessa de ultrapassar outros impasses como o livre arbítrio ou a consciência. Mas essa esperança estava muito longe de ser satisfeita.
Mc Ginn vive atualmente nos Estados Unidos, já escreveu dezenas de livros, muitos sobre filosofia da mente e um deles, pelo menos, foi publicado em Portugal pela editora Gradiva, O Caráter da Mente, onde apresenta uma tese sobre a questão da consciência, o naturalismo transcendental, na qual defende que o problema do conhecimento da consciência é insolúvel para nós, não porque a consciência seja mágica, irredutível ou não existente, mas devido às nossas limitações conceptuais. Mas porque não é a solução para o problema mente – corpo adequada aos nossos sistemas cognitivos? O que nos impede de forma tão sistemática de apreender “a propriedade explicativa P”?
Em Oxford há uma rua com o nome de Rua da Lógica, o que ele achava “o máximo do fixe filosófico”.
Mac Ginn ainda acha que qualquer filósofo profissional deve ter um bom domínio da lógica mas deixou de acreditar que só com ela possamos resolver problemas filosóficos sérios. E nesse sentido, não acredita que a filosofia possa ser uma ciência.
A lógica não lhe permitirá alcançar uma verdade conclusiva sobre a consciência mas abre a possibilidade de identificar erros nos seus próprios raciocínios, de avaliar melhor o que o que se pode concluir a partir das suas hipóteses explicativas e revê-las continuadamente na procura de outras melhores. É disso que se faz a filosofia, em Oxford como em qualquer outro mundo possível.

Nota: Este texto da professora Ana Bernardes foi escrito no âmbito do Dia Mundial da Filosofia de 2011. Pela sua qualidade e pelo elogio que nele existe ao fascinante mundo da filosofia, pareceu-nos uma excelente escolha para assinalar o facto do grupo 410 retomar a actividade deste blogue.


sábado, 16 de fevereiro de 2013

XIV Conferência de Filosofia da Manuel Teixeira Gomes

Cartaz do evento, da autoria da professora Antónia Rocha



O Grupo de Filosofia da Escola Secundária Manuel Teixeira Gomes convida todos os interessados a participar na XIV Conferência de Filosofia da Manuel Teixeira Gomes, que se irá realizar no auditório da escola no próximo dia 22 de Fevereiro, pelas 17 horas.


A conferência deste ano procura alargar o âmbito das anteriores e vai de encontro aos interesses de um número cada vez maior de educadores e profissionais de educação: a filosofia para crianças. Assim, a conferência intitula-se O Que Quer Dizer Brincar a Pensar - Princípios de Filosofia para Crianças do Pré-escolar ao Ensino Universitário, sendo proferida por Dina Mendonça, do Instituto de Filosofia da Linguagem da Universidade Nova de Lisboa e fundadora da Associação Brincar a Pensar.

Nesta conferência será esclarecida a metodologia da filosofia para crianças e como esta promove o pensamento filosófico, indicando-se também os instrumentos pedagógicos retirados da metodologia para os diferentes níveis de escolaridade e de atividade profissional.

A comunicação durará o máximo de 60 m, seguindo-se um período de discussão e esclarecimento de dúvidas.

A entrada é livre.

O Grupo de Filosofia da ESMTG agradece o apoio do Hotel Pestana Dom João II, que patrocina a estadia da conferencista.